Convite à Leitura

Blog do Projeto EducAção Digit@l

O projeto EducAção Digit@l é uma iniciativa do Colégio Salesiano Itajaí e tem por objetivo “Compreender, orientar e educar a geração Z para serem cidadãos competentes e honestos no uso das tecnologias”, envolvendo toda a comunidade educativa nestas reflexões.

Temos tido encontros periódicos com um grupo de pais estudando e planejando ações que ajudem a enfrentar os novos desafios trazidos com o uso das tecnologias e a criação do blog foi uma das propostas, para que possamos socializar com todos nossas atividades e reflexões. Você é nosso convidado!

Acesse: Blog do Projeto EducAção Digit@l

__________________________________________________________________________________________

Consumismo infantil

O nosso convite à leitura de hoje é especialmente dedicado aos dias que estamos vivendo: vésperas do Dia das Crianças. Além deste texto em especial: Consumismo, um problema de todos, vale a pena conferir este site "Criança e consumo", que tem por objetivo "divulgar e debater ideias sobre as questões relacionadas à publicidade de produtos e serviços dirigida às crianças, assim entendidas as pessoas de até 12 anos de idade, bem como apontar meios de minimizar e prevenir os prejuízos decorrentes dessa comunicação mercadológica".

__________________________________________________________________________________________

Neurociência e Adolescência - Suzana Herculano-Houzel

“É na transição da infância para adolescência que o cérebro do jovem é cheio de possibilidades neurológicas para desenvolvimento de novas habilidades, neste período o córtex neo frontal  ainda imaturo é incapaz de estabelecer noções de conseqüência”.

Se nossa sociedade perdeu o referencial de um ideal, de que forma ela pode reger os passos imaturos de um jovem, a fim de formar um cidadão crítico, transformador e responsável por suas escolhas?

Está aí a grande responsabilidade da escola e de qualquer instituição de ensino, tendo em vista que este é o espaço privilegiado para o desenvolvimento do pensamento e do conhecimento.

Sobre o papel do professor em sala de aula e fora dela, acredito que: quando encaminhamos tarefas e cobramos por elas; quando cobramos organização pessoal,  estamos ensinando o jovem a se responsabilizar por sua vida, estamos sendo seu “lobo frontal” até que ele amadureça o seu.

Quando palestramos aulas estamos deixando o aluno na zona de conforto, pensamos e criticamos por eles. Contribuímos com a manutenção da imaturidade do lobo frontal e com a apatia social.

Quando não cobramos obrigações, ou até mesmo “não forçamos a barra” para o aluno fazer tarefas e trabalhos com qualidade estamos sacaneando este jovem, deixando para ele perceber o que perdeu só quando o seu lobo frontal estiver maduro e aí já é tarde para muita coisa. Ele já terá mais de 17 anos.

Suzana Herculano-Houzel  
Formou-se em Biologia Modalidade Genética pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992). Fez mestrado pela universidade americana Case Western Reserve (1995), doutorado na França pela Pierre et Marie Curie (1998) e pós-doutorado na Alemanha pelo Instituto Max Planck (1999), todos em neurociências.

Clique para assistir o vídeo da autora: Adolescência: o cérebro em transformação.

Prá pensar:
1. O que o texto está sugerindo?  
2. Caso você concorde com o que a neurocientista  Suzana está afirmando,  o que precisa ser melhorado na sua vida de estudante?

__________________________________________________________________________________________

Educar e aprender na era da Inovação

Quais os impactos das novas tecnologias na educação? Como essas novas ferramentas podem contribuir para a educação dos jovens?

Clique no link para ler a entrevista da Mestra em Educação, Luciana Allan, na Revista Juntos no Pátio

__________________________________________________________________________________________

Informações sobre a vacina contra o HPV

No mês de abril as meninas de 9 a 11 anos serão vacinadas contra o HPV. Clique aqui para acessar o site oficial sobre a vacina e tirar suas dúvidas. Clique aqui para assistir o vídeo explicativo. 

__________________________________________________________________________________________
 

Educar como atitude

"Agora é hora de nos perguntarmos: Como queremos que nossos filhos sejam educados? Nossas atitudes é que dirão".

Clique no link  para ler este excelente texto da Psicóloga Rosely Sayão, colunista da Folha de São Paulo.

 


Especialistas orientam como restringir o uso de tecnologias pelas crianças.

Esta reportagem do Jornal Zero Hora, do dia 12 de outubro deste ano, traz exemplos de atitudes de pais e educadores no que se refere ao uso de tecnologias pelas crianças. Opiniões que podem ajudar a todos para uma postura de equilíbrio e responsabilidade frente aos desafios da educação nos dias de hoje. Vale a pena conferir: Especialistas orientam como restringir o uso de tecnologias pelas crianças.

 


Dicas para ajudar as crianças a criar responsabilidade nos estudos

A dica de leitura de hoje é um texto de especialistas que orientam os pais a como agir com relação à vida escolar dos filhos. Confira, clicando no link: Dicas


Segurança na escola

Muito falamos em segurança, mas qual o verdadeiro significado desta palavra? E se especificarmos mais um pouco perguntando do que trata a segurança na escola?

Segurança, conforme o dicionário, é ato ou efeito de segurar; seguração, estado do que se acha seguro; garantia. Certeza, confiança, firmeza, infalibilidade. Com segurança: com firmeza; livre de risco; seguramente; sem temor. Então para definir como segurança na escola seria fácil, apenas acrescentarmos o termo escolar após estas definições...

Acredito que segurança escolar é um pouco mais complexo, pois no meu ponto de vista, abrange valorizar a ética e os princípios relacionados ao estudo, trabalho, família e ao próximo. Respeitar as relações pessoais ligadas à vida e consequentemente à escola e à comunidade, da mesma forma que faz parte da segurança escolar trabalhar a vulnerabilidade dos jovens e crianças com relação a nossa preocupação com a prevenção quanto ao uso de drogas e que sofram com agressões, furtos, roubos, homicídios, sequestros e bullying.

Então, como fazer isso? Promovendo o envolvimento da equipe, pais, alunos e comunidade em um debate permanente sobre o assunto, com a criação de um grupo que contemple todos os públicos da escola, possibilitando assim o mapeamento de pontos críticos que permitam o debate e obtenção de soluções em conjunto.

Enquanto isso... algumas dicas:

  1. Evite aglomerações em frente à escola, ao chegar ou sair embarque imediatamente no automóvel, van ou dirija-se ao ponto de embarque do transporte público ou ao ponto combinado com seus familiares.
  2. Se for necessário realizar uma ligação para quem vem buscá-lo ou para quem o está esperando, aguarde o final da aula e após o sinal enquanto estiver no pátio efetue o contato, evitando assim o interesse por parte dos assaltantes em seu celular.
  3. Enquanto desloca-se para a escola, evite andar distraído, sozinho e com equipamentos à mostra: tablet, celular, computador e demais equipamentos eletrônicos.
  4. Lembre-se de que estar dentro do transporte coletivo ou veículo particular, algumas vezes, não é sinônimo de segurança, evite exposição de bens de valor e ande com os vidros fechados, pois sinaleiras e congestionamentos são pontos frágeis.
  5. Se observar alguém em atitude suspeita, independentemente do traje que estiver usando, comunique os porteiros, professores, direção ou agentes públicos (polícia, guarda municipal ou agentes de trânsito), se estiver na rua procure não andar sozinho e caso veja algo diferente do normal, entre em algum estabelecimento seguro, ligue para um familiar e aguarde o mesmo lhe encontrar.


Portanto, lembre-se de que segurança e segurança na escola é valorizar os princípios, a ética e os bons costumes.

É estar atento ao exercício da cidadania e da inclusão. Ao mesmo tempo que a prevenção é o melhor caminho, pois seguindo procedimentos e normas pré-estabelecidas podemos contribuir para com o aumento da segurança de todos nós.

Alex Sventnickas - Advogado, especialista em segurança, diretor da Hunter Consultoria e Assessoria em Segurança Ltda.

 


 

 

O que você faria se ninguém soubesse que foi você?

Dizem que o que fazemos quando não esperamos reconhecimento, ou quando sabemos que não seremos vistos, dizem mais sobre nós do que todas as outras atitudes. Por isso que a solidariedade feita de coração tem mais valor do que aquela que precisa de fotos e notícias de jornal, e a maneira como tratamos quem não pode fazer nada por nós mostra mais de nossa educação do que a maneira como tratamos um superior.

E se de repente surgisse um aplicativo que te permitisse fazer qualquer coisa, anonimamente? O que você faria? O Brasil viu nesta semana o aplicativo Secret ser instalado em vários celulares e o que surgiu como uma maneira de um jovem fazer uma declaração de amor anônima, logo virou espaço para crimes virtuais, como cyberbulling, calúnia, divulgação de imagens íntimas sem autorização, entre outros.

Já existem processos na justiça pedindo o bloqueio deste aplicativo, visto que o anonimato é crime e vai contra o novo Marco Civil da internet. Usuários que se sentiram ofendidos pelo aplicativo procuraram o Ministério Público para dar encaminhamentos no processo. As escolas já registram aumento de casos de bulling, mas independente do que vai acontecer com este app em particular, é importante aproveitar o momento para refletir sobre como ele foi utilizado.

Uma das juízas que acompanhou o caso comentou que a evolução humana não acompanha a evolução da tecnologia. Parece que quanto mais facilidades temos nas mãos, mais retrocedemos. Apesar da tecnologia que nos permite verificar informações em várias fontes, acabamos divulgando informações inverídicas e difamatórias, acreditando em tudo o que se lê. Apesar da tecnologia que nos permite acesso fácil a inúmeras obras de arte, e bons textos, os campeões de acesso muitas vezes são os sites que divulgam o preconceito e a violência.

E quando temos a oportunidade de navegar anonimamente, escolhemos ofender, difamar e agredir. Como se destilar o ódio contra a garota popular, o garoto diferente ou o professor que fez uma prova difícil, nos fizesse melhores, ou nos trouxesse certo alívio de consciência. É tão fácil criticar a sociedade e depois julgar os outros, não é? Tão fácil dizer que quer ser respeitado e depois xingar alguém por seus relacionamentos afetivos. Tão fácil ser um super amigo e depois contar os segredos mais íntimos da pessoa no app, não é?

Existem boas notícias também. Uma é que muitas postagens agressivas estão sendo denunciadas e recebendo críticas dos próprios usuários, que querem usar de uma forma positiva o aplicativo. Outra é que o anonimato é só aparente, é fácil desconfiar do autor já que ele faz parte de sua rede de contatos; e em casos mais graves um processo na justiça obrigaria os responsáveis pelo aplicativo a revelar o autor da postagem.

E para terminar esta reflexão, é bom lembrar que um dia teremos que responder por tudo que fizemos, seja aqui ou no decorrer da vida. Então vamos imaginar que acontecesse um bug, tão comum no mundo da tecnologia; e amanhã, quando você acordasse o anonimato tivesse sido quebrado. Como seria o seu dia, se todo mundo soubesse o que você fez?
Gisele Mendes – Jornalista

PENSE, REFLITA ANTES DE POSTAR ALGO OU DE “CURTIR” ALGO.

"Esse é um exercício bacana. Uma medida para o exercício da ética e da moral está na frase de Confúcio, "Não faça aos outros o que você não quer que seja feito a você”, ou ainda como diz Jesus em Mc 12, 33, “ ama o próximo como a ti mesmo”. O que não é bom pra ti não é bom para os outros. Esse é um pensamento interessante para avaliar. Não falha nunca!" (Enio Bernardo Schmitz - Coordenador Pedagógico)

 


 

 

Educação na era digital

Educação é muito mais que tecnologia em sala de aula, contudo, não podemos prescindir dela e aos poucos vamos transformá-la numa grande aliada.

Seguem, de forma muito resumida, para nossa reflexão, algumas proposições de um psicólogo cognitivo e educacional, Howard Gardner; do tecnólogo Randy Sparkman; de Carles Monereo e Juan Ignacio Del Pozo, psicólogos e especialistas em educação, todos pesquisadores preocupados em apontar um norte para a educação mundial, considerando as mudanças que vem ocorrendo em todos os âmbitos da vida humana. Continua...


Nossos filhos e a internet (Lisandra Pioner - clic RBS)

Recebemos a sugestão deste artigo na 1ª reunião do projeto EducAção Digital de uma mãe que faz parte do grupo. Leitura importante para quem está atento(a) aos novos desafios na educação das crianças do nosso tempo.

"O olhar de adultos maduros, esclarecidos e com um mínimo de disponibilidade e boa vontade é indispensável ao uso saudável das redes... "(Continua...)

 


 

Informações sobre a Vacina contra o HPV .

 

Clique aqui e faça o download do material enviado para as escolas. 

 


 

Lixo, lixo... Cadê minha escola?

 

 


 

Chegou o boletim, e agora pais?

Por que muitos alunos temem o boletim escolar? Para que serve o boletim? Seria para premiar ou para castigar?  Quais são as posturas dos alunos e educadores, pais e professores, diante do boletim?

 

A resposta a essas perguntas  depende do sentido que damos à avaliação.  Tanto a indiferença  diante do boletim  quanto a supervalorização da nota não fazem sentido  quando  queremos educar  crianças e adolescentes.  Tanto o prêmio como o castigo não mostram à criança e ao adolescente que estudar é bom, que é necessário e importante, porque o foco deixa de ser a aprendizagem e passa a ser o prêmio ou o castigo, fruto de notas boas ou ruins.

Se o foco for a nota, teremos uma proposta pedagógica centrada fortemente no conteúdo. Então temos posturas de prêmio ou castigo diante do boletim. Se o foco estiver na aprendizagem,  teremos uma proposta pedagógica centrada no aluno, no educando. Neste caso, a postura diante do boletim deve ser diversa, marcada por processos dialógicos e de hetero e autorregulação. 

No primeiro caso, o aluno é convidado a prestar atenção na aula, estar muito atento às explicações do professor, fazer exercícios de aprendizagem, exercícios de fixação e devolver tudo isso numa prova. Neste processo é muito valorizada a capacidade de memorização, mesmo que sem compreensão, porque tudo deve ser devolvido na prova da forma como foi trabalhado na classe ou está no livro.   

No segundo caso, quando o foco está no aluno, os conteúdos também estão presentes, são construídos noções e conceitos nas diversas áreas do conhecimento, porém, o aluno é convidado a ser sujeito de suas aprendizagens, desenvolvendo habilidades, aprendendo a comunicar  suas dificuldades e seus talentos, aprendendo a regular  e a desenvolver paulatinamente  as capacidades para aprender. Neste caso o aluno é convidado a se apropriar do planejamento, da execução do planejado e da avaliação. 

No primeiro caso a postura de utilizar o boletim para  premiar ou castigar vão muito bem. No segundo caso o processo é um pouco mais complexo, porém, muito mais eficiente e eficaz.

Somos  da opinião de que toda criança e adolescente necessitam de um adulto para o qual tenha que “prestar contas”. Prestar contas não no sentido de pagar dívida e sim, de ter um adulto com o qual possa dialogar e que o estimule a pensar e a fazer boas escolhas.  Neste contexto cabem duas perguntas: como o boletim pode se tornar uma ferramenta de diálogo e quais são os frutos esperados desse processo?

Sugerimos  aos pais sentar ao lado dos filhos, criando um clima de mútua confiança,  e com eles ler o boletim – ou qualquer outra forma de indicador de aprendizagem – analisando os dados, fazendo perguntas,  incentivando-os a falarem sobre os avanços que tiveram, sobre as dificuldades que permanecem,  sobre as ações  e atitudes que terão ou da ajuda de que necessitam  para superar dificuldades ou para continuar aprendendo sempre mais e melhor.

A conversa precisa ser seguida de registro escrito, que pode ser feito na agenda pessoal do aluno. Bom que sejam duas ou três atitudes, comportamentos, ações bem concretas, facilmente verificáveis pelos atores desse processo.

Evitar propósitos muito genéricos como “estudar mais”, “me empenhar mais nas aulas”, estudar todo os dias, etc. Procure  propósitos bem objetivos, atendendo aos problemas identificados,  como:  fazer todas as tarefas seguindo as orientações dadas pelo professor; organizar os registros no caderno; cuidar da ortografia; fazer pergunta quando não consegue resolver um problema;  ser mais persistente na resolução de problemas; exercitar a caligrafia; exercitar o resumo; exercitar a interpretação de texto; exercitar a escrita e reescrita; pesquisar em fontes diferentes, perder o medo de fazer pergunta; cooperar com minha classe evitando falar fora de hora; levar o material solicitado para as aulas; fazer as entregas no prazo, etc.

Importante escrever tudo que foi conversado ou combinado para poder retomar, confrontando com os novos indicadores coletados mais adiante, verificando novamente avanços e estabelecendo novas metas.

Quando se trabalha com adolescente é importante cuidar para que a postura de transferência de responsabilidade não se instaure, que por ser muito cômoda, deixa o indivíduo na zona de conforto, o que não permitirá nenhum avanço, nenhuma mudança. Todos nós reconhecemos o valor das pessoas que nos tiraram da zona de conforto e nos deram suporte para que crescêssemos.  Se a mãe e o pai somente  engatinharem ao lado do filhinho, provavelmente este terá maior dificuldade para andar com os próprios pés. Atitude do adulto deve ser de incentivar a andar, colocando-se de pé ao lado do filho, mostrando como é bom ficar de pé,  proferindo palavras de incentivo, dando suporte para que adquira confiança, ajudando a levantar quando cair, dizendo que vai conseguir... 

A postura do adulto deve ser de fazer a criança e o adolescente se responsabilizar pelas suas aprendizagens,  pela superação das eventuais dificuldades e pelo próprio crescimento.  Se a atitude do adulto for a de sumariamente responsabilizar a criança ou adolescente pelo sucesso ou fracasso, ele terá mais dificuldade de se autorregular, de ser sujeito, de se autogerir.

Os frutos esperados desse processo são de crianças, adolescentes, jovens e adultos, cada um dentro das possibilidades que a idade permite, capazes de se autogerirem, sabendo fazer boas escolhas, desenvolvendo sempre mais as habilidades para aprender, construindo consciência  de suas capacidades, para serem cidadãos competentes e honestos.

Enio Bernardo Schmitz - Setembro/2013

O vídeo abaixo foi exibido na Reunião de Pais - CCP Ensino Fundamental II e Ensino Médio - 25/09/2013. Para assistir o vídeo completo, acesse: Pe. Marcos Sandrini - O carisma Salesiano

 

Vídeo do 2º ano C sobre o Centro de Convivência do Idoso Hermógenes Marcelino Mendes, para o Projeto Banho de Cidadania - Apresentação na quinta-feira - 05/09.

 

 

Vídeo sobre a Humanity - apresentação na quarta-feira. Projeto Banho de Cidadania.

 

Nesta seção estão publicados textos relacionados à educação das “nossas” crianças e jovens. A intenção é mantermos sintonia entre a escola e as famílias, a fim de que possamos dar passos sempre bem firmes e de acordo com a nossa proposta pedagógica.

Aqui você encontra todos os textos já publicados:

  • Discurso do Papa aos Jovens: "Jesus nos oferece algo muito superior que a Copa do mundo", diz o Pontífice.

Na cerimônia da vigília na Jornada Mundial da Juventude, o papa fez referência à Copa do Mundo, dizendo que Jesus é muito maior do que o evento esportivo. Porém, assim como o estádios, Jesus pede uma entrada. Neste caso, o treinamento que, segundo o Papa, é o diálogo constante. Confira a íntegra a seguir:

“Queridos jovens,

Acabamos recordar a história de São Francisco de Assis. Diante do Crucifixo, ele escuta a voz de Jesus que lhe diz: 'Francisco, vai e repara a minha casa'. E o jovem Francisco responde, com prontidão e generosidade, a esta chamada do Senhor: 'Repara a minha casa. Mas qual casa?' Aos poucos, ele percebe que não se tratava fazer de pedreiro para reparar um edifício feito de pedras, mas de dar a sua contribuição para a vida da Igreja; tratava-se de colocar-se ao serviço da Igreja, amando e trabalhando para que transparecesse nela sempre mais a face de Cristo.

Também hoje o Senhor continua precisando dos jovens para a sua Igreja. Queridos jovens, o senhor precisa de vocês. Também hoje ele chama a cada um de vocês para segui-lo na sua Igreja para serem missionários. Queridos jovens, o Senhor hoje nos chama. Não a todos e sim a cada um de vocês, individualmente. Escutem essa palavra nos seus corações. Ele vos fala.

Não estaria o Senhor querendo nos dizer que o verdadeiro campo da fé, não é um ponto geográfico, mas sim nós mesmos?

Acredito que podemos aprender algo com o que aconteceu nos últimos dias. Tivemos que cancelar por mau tempo o evento no Campus Fidei Guaratiba. Não estaria o Senhor querendo nos dizer que o verdadeiro campo da fé, não é um ponto geográfico, mas sim nós mesmos? Sim. É verdade, cada um de nós e de vocês. Eu e vocês todos aqui somos discípulos missionários. O que quer dizer isso? Que nós somos o campo da fé de Deus.

Por isso mesmo, a partir da imagem do campo da fé, pensei em três imagens que podem nos ajudar a entender melhor o que significa ser um discípulo missionário: a primeira imagem é o campo como lugar onde se semeia; a segunda, o campo como lugar de treinamento; e a terceira, o campo como canteiro de obras.

Primeiro. O campo como lugar onde se semeia.

Todos conhecemos a parábola de Jesus sobre um semeador que saiu pelo campo. Algumas sementes caem à beira do caminho, em meio às pedras, no meio de espinhos e não conseguem se desenvolver; mas outras caem em terra boa e dão muito fruto (cf. Mt 13,1-9). O próprio Jesus explicou o sentido da parábola: a semente é a palavra de Deus que é semeada nos nossos corações (cf. Mt 13,18-23).

Hoje, de modo especial, Jesus está semeando. Ao aceitar a palavra de Deus, nos tornamos o campo da fé. Por favor, deixe que a palavra do Senhor entre nas suas vidas. Deixe que entre em seus corações, germine, cresça. Deus faz tudo, mas vocês têm que permitir que Ele trabalhe nesse crescimento. Jesus nos diz que as sementes que caíram à beira do caminho, em meio às pedras e entre espinhos não deram fruto. Acredito que, com muita sinceridade, podemos nos perguntar: 'Qual terreno somos ou queremos ser?' Talvez sejamos como o caminho: ouvimos o Senhor porém nos deixamos tumultuar por tantos apelos superficiais? E eu lhes pergunto, agora me respondam silenciosamente: ‘serei eu um jovem atordoado ou como o terreno pedregoso? Acolhemos Jesus com entusiasmo mas somos inconstantes e diante das dificuldades não ter a coragem de ir contra a corrente'. Respondam silenciosamente. 'Terei eu valor ou serei eu um covarde?' Ou será que somos como um terreno espinhoso? As palavras negativas sufocam a palavra de Deus? Tenho o costume de jogar dos dois lados, ficar de bem com Deus e com o Diabo? Será que quero receber as sementes de Jesus e de vez em quando regar os espinhos e o que cresce de mau nos meus corações?

Sei que querem ser cristãos autênticos. Não cristãos de nariz empinado

Hoje, entretanto, tenho a certeza que a semente pode cair numa terra boa, como ouvimos nesses testemunhos. Como a semente caiu em boa terra. A pessoa diz que é uma calamidade: 'não sou boa terra, estou cheia de espinhos, Santo Padre'. Sim, isso pode acontecer. Mas deixe um pedacinho de terra boa, e permitam que ali caia a semente da palavra e verão que ela vai germinar, sim. Eu sei que vocês querem ser terra boa. O cristão quer ser isso, um cristão de verdade, não cristãos de fachada, mas sim autênticos. Sei que querem ser cristãos autênticos. Não cristãos de nariz empinado, pessoas que só parecem cristãos, mas não fazem nada. Tenho a certeza que vocês não querem viver na ilusão de uma liberdade que se deixe arrastar pelas modas e as conveniências do momento.

Sei que vocês apostam em algo grande, em escolhas definitivas que deem pleno sentido para a vida. É assim ou estou errado? Se é assim, façamos o seguinte. Todos em silêncio, olhando para dentro, para seus corações, e cada um fale com Jesus que quer receber a semente. Olhe Jesus. 'Jesus, tenho pedras, tenho espinhos, mas tenho esse cantinho de boa terra. Semeie aqui'. E em silêncio, permitem que Jesus plantem sua semente em boa terra. Lembrem-se desse momento. Cada um sabe o nome da semente que foi plantada agora. Deixem que frutifique. Deus vai cuidar dela. (aplausos)

Segundo. O campo como lugar de treinamento.

Além de ser um lugar de semeadura, o campo é um lugar de treinamento. Jesus nos pede que nós o sigamos por toda a vida, pede que sejamos seus discípulos, que 'joguemos no seu time'. Acho que a maioria de vocês ama os esportes. E aqui no Brasil, como em outros países, o futebol é uma paixão nacional. Sim ou não? (aplausos) Pois bem, o que faz um jogador quando é convocado para jogar em um time? Deve treinar, e muito! Também é assim na nossa vida de discípulos do Senhor. São Paulo diz aos cristãos: 'Todo atleta se privam de tudo. Eles assim procedem, para conseguirem uma coroa corruptível. Quanto a nós, buscamos uma coroa incorruptível!' (1Co 9, 25). Jesus nos oferece algo muito superior que a Copa do Mundo! Algo maior que a Copa do Mundo! (aplausos)

Jesus nos oferece algo muito superior que a Copa do Mundo!

Oferece-nos a possibilidade de uma vida fecunda e feliz. E nos oferece também um futuro com Ele que não terá fim: a vida eterna. É o que Jesus oferece. Mas ele pede que paguemos a ingresso. Jesus pede que treinemos para estar 'em forma', para enfrentar, sem medo, todas as situações da vida, dando testemunhos de fé. Como? Através do diálogo com Ele: a oração, que é um diálogo diário com Deus que sempre nos escuta.

Agora vou perguntar. 'Eu rezo? Eu falo com Jesus ou tenho medo do silêncio?' Deixe que o Espírito Santo fale aos seus corações. 'Será que faço isso?' Pergunte a Jesus: 'O que quer que eu faça? O que quer da minha vida?' Isso é treinar. Conversem com Jesus. E se cometerem um erro, um deslize, não temam. 'Jesus, olha o que eu fiz, o que faço agora?' Mas sempre fale com Jesus, nos bons e maus momentos, não tema. Essa é a oração. Assim vai se treinando o diálogo com Jesus. E também através dos sacramentos, que fazem crescer em nós o amor de Jesus, através do amor fraterno, do saber ouvir, perdoar, do compreender, do perdoar, do acolher, do ajudar os demais, qualquer pessoa sem excluir nem marginalizar ninguém. Esses são os treinamentos para se seguir Jesus: a oração, os sacramentos e o serviço ao próximo. Vamos repetir: oração, sacramentos e ajuda aos demais (público repete).

Terceiro. O campo como canteiro de obras.

Como vemos aqui, como tudo isso foi construído. Os jovens caminharam e construíram juntos a Igreja. Quando o nosso coração é uma terra boa que acolhe a palavra de Deus, quando se 'sua a camisa' procurando viver como cristãos, nós experimentamos algo maravilhoso: nunca estamos sozinhos, fazemos parte de uma família de irmãos que percorrem o mesmo caminho; somos parte da Igreja, mais ainda, tornamo-nos construtores da Igreja e protagonistas da história, em conjunto. Fizeram assim como São Francisco: construir e reparar a Igreja.

Eu pergunto, então: Querem construir a Igreja? Estão animados? E amanhã, será que vão se esquecer que hoje disseram 'sim'? (público responde 'não'). Ah, assim estou gostando. Todos somos parte da Igreja. Mais do que isso, nos transformamos em construtores da Igreja e protagonistas da História. Jovens, por favor, sejam protagonistas, não fiquem na fila da História, não fiquem para trás. Vão lutando, construindo um mundo de paz, solidariedade, amor. Joguem sempre na linha de frente, no ataque!

São Pedro nos diz que somos pedras vivas que formam um edifício espiritual (cf. 1Pe 2,5). E, olhando para este palco, vemos que ele tem a forma de uma igreja, construída com pedras, com tijolos. Na Igreja de Jesus, nós somos as pedras vivas, e Jesus nos pede que construamos a sua Igreja; cada um de nós somos uma pedrinha da construção. Se faltar essa pedrinha, quando chover, vai se formar uma goteira e a casa vai alagar. Cada um desse pedacinho deve cuidar da segurança e da unidade da Igreja. E vai construir uma capelinha, onde cabe somente um grupinho de pessoas? Não, Jesus nos pede que a sua Igreja viva seja tão grande que possa acolher toda a humanidade, que seja casa para todos! Ele diz a mim, a você, a cada um: 'Ide e fazei discípulos entre todas as nações'! Nesta noite, respondamos-lhe: 'sim, também eu quero ser uma pedra viva; juntos queremos edificar a Igreja de Jesus!'

Peço que vocês também sejam protagonistas, superando a apatia e oferecendo uma resposta cristã às inquietações sociais políticas que se colocam em diversas questões do mundo.

Eu quero ir e ser construtor da Igreja de Cristo! Repitam isso. Agora é com vocês. 'Eu quero ir e ser construtor da Igreja de Cristo'. Quero que pensem nisso, vocês disseram isso juntos, afinal. No coração jovem de vocês, existe o desejo de construir um mundo melhor. Acompanhei atentamente as notícias e vejo muitos jovens que, em tantas partes do mundo, saíram pelas ruas para expressar o desejo de uma civilização mais justa e fraterna. Os jovens nas ruas querem ser protagonistas da mudança. Por favor, não deixam que outros sejam protagonistas, sejam vocês. Vocês têm o futuro nas mãos. Por vocês, é que o futuro chegará. Peço que vocês também sejam protagonistas, superando a apatia e oferecendo uma resposta cristã às inquietações sociais políticas que se colocam em diversas questões do mundo. Peço que sejam construtores do mundo. Envolvam-se num mundo melhor. Por favor, jovens, não sejam covardes, metam-se, saiam para a vida. Jesus não ficou preso dentro de um casulo. Saiam do casulo. Saiam às ruas como fez Jesus.

Mas, fica a pergunta: por onde começar? A quem vamos pedir que se comece isso ou aquilo? Um dia perguntaram a Madre Teresa de Calcutá o que deveria mudar na Igreja, por onde começaria a mudar, ela respondeu: você e eu! Ela tinha muita garra e sabia por onde começar. Hoje, peço então a Madre Teresa e repito as palavras dela: começamos por mim e por você. Por favor, cada um, faça essa mesma pergunta: 'se tenho que começar por mim mesmo, por onde devo começar?' Abram seus corações para que Jesus possa falar por onde devem começar.

Vocês são o campo da fé! Vocês são os atletas de Cristo!

Queridos amigos, não se esqueçam: vocês são o campo da fé! Vocês são os atletas de Cristo! Vocês são os construtores de uma Igreja mais bela e de um mundo melhor. Elevemos o olhar para Nossa Senhora. Ela nos ajuda a seguir Jesus, nos dá o exemplo com o seu 'sim' a Deus: 'Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra' (Lc1,38). Também nós o dizemos a Deus, juntos com Maria: faça-se em mim segundo a Tua palavra. Assim seja!"

Muitas ideias legais para aproveitar as férias de julho com as crianças! São dicas do site "Educar para crescer". Aproveite e boas férias!!!

  • Sim, eles crescem

"Pelo menos em teoria, criamos os filhos para que eles cresçam, não é? Não criamos nossas crianças para que permaneçam crianças para sempre. O crescimento resulta em assumir a própria vida e, portanto, separar-se dos pais." Leia o texto completo, de Rosely Sayão, no site da Folha de São Paulo, clicando no link:   Sim, eles crescem

  • Earth Day: Give Earth a Hand

 

  • Dia do Índio - Assista o vídeo "Pajerama": Um índio é pego numa torrente de experiências estranhas, revelando mistérios de tempo e espaço.

Cyberbullying: a violência virtual

Porque o ovo de páscoa é tão caro?

Comentários

Essa página não recebeu comentários, seja o primeiro.

Deixe seu comentário


dfLA